por JOÃO DOS SANTOS FILHO

Bacharel em Turismo pelo Centro Universitário Ibero-Americano de São Paulo (Unibero) e bacharel em Ciências Sociais pela PUC/SP. Mestre em Educação: História e Filosofia da Educação pela PUC/SP. Professor-convidado na Faculdad de Filosofia e Letras da Universidad Nacional de Heredia (UNA), em San José da Costa Rica. Professor concursado pela Universidade Estadual de Maringá. Autor do livro “Ontologia do turismo: estudo de suas causas primeiras” EDUSC, Universidade de Caxias do Sul. 

 

 

 

Pavor, terror e assassinato no acúmulo de capital

 

V – Última verba

Eu sou o Capital, o rei do mundo.

Caminho escoltado pela mentira, pela inveja, pela avareza, pela trapaça e pelo assassínio. Levo a divisão à família e a guerra à cidade. Por toda a parte por onde passo semeio o ódio, o desespero, a miséria e as doenças.

Sou o Deus implacável. Regozijo-me no meio das discórdias e dos sofrimentos. Torturo os assalariados e não poupo os capitalistas meus eleitos. 

(LAFARGUE, Paul. O Direito à preguiça e outros textos. 1977 p. 188)

 

Iniciamos esse artigo com as falas do médico cubano Paul Lafargue, genro de Karl Marx e militante do partido socialista francês, por entender que o mesmo em um dos seus inteligentes escritos expressa uma atualidade para o entendimento da tragédia do vôo 3054 da TAM.

Gostaríamos de esclarecer que partimos do pressuposto de que a culpabilidade da tragédia que matou mais de 200 cidadãos brasileiros, bem como, a crise aérea pelo que o Estado brasileiro vem passando é decorrente de uma soma de variáveis que estão ligadas de forma hegemônica e determinante a dimensão dos interesses econômico do Capital que se sobrepõe aos da preservação da vida humana. Nesse sentido, entendemos que existem culpados que estão a serviço do Capital e tornam-se servos, cegos, surdos e algumas vezes mudos diante da necessidade de ampliar a mais-valia na defesa dos poderosos interesses econômicos.

Por isso, devemos entender que a lógica para encontrar os responsáveis pela tragédia, está além da personificação jurídica de indivíduos, só assim podemos entender o problema por meio de uma atitude crítica e fazer encaminhamentos para resoluções. Portanto, gostaríamos de discutir a questão por um ângulo ainda não abordado em sua plenitude, apesar de alguns escritos e falas mencionarem a questão de forma secundária.

Vamos iniciar com algumas indagações que se respondidas sempre levam ao mesmo responsável pela tragédia, o Capital, traduzido por inúmeros interesses econômicos, então podemos lançar as seguintes perguntas:

1. Que interesses levaram a prefeitura de São Paulo a permitir a construção de prédios, alterando a lei de zoneamento no perímetro do espaço aéreo de Congonhas?

2. Que motivos levaram a Infraero a liberar a pista de Congonhas, sem estar completamente concluída?

3. Que motivos levaram ao Estado a punir os sargentos Wellington Rodrigues e Carlos Trifilio, por quebra da disciplina militar ou por promoverem greve, por melhores condições de trabalho e salário?

4. Que motivos levaram no dia 17 de julho, minutos antes do trágico acidente, os controladores de vôo a propor fechar o aeroporto de Congonhas, devido aos problemas na pista e não foram ouvidos?

5. Quem tem interesse na privatização da Infraero como solução para o caos aéreo brasileiro?

6.  Por que as empresas aéreas estão atuando no limite máximo da super utilização das aeronaves buscando a maximização de lucros rápidos e reestruturando rotas e regras de vôo que priorizam os interesses puramente comerciais?

7. Por que o ministro Waldir Pires teria dito que a ANAC representa o Estado e tem que impor às empresas aéreas a redistribuição das rotas, enquadrando-as naquilo que foi acordado pelo Estado?

8. Que interesses são defendidos pela ANAC, os públicos ou privados?

9.  Por que Infraero e a FAB estariam indiretamente tentando isolar a ANAC das discussões sobre a crise aérea no país?

Todas essas questões devem ser respondidas em sua especificidade, pois em sua universalidade sabemos que o determinante é o interesse econômico. È aí que poderemos encontrar os responsáveis por esses assassinatos e colocá-los na cadeia.

Apesar de que, em tempos de tristeza somos obrigados a presenciar absurdos de pura irracionalidade em que não sabemos até agora qual foi à intenção desses representantes do Estado em conceder a medalha "Mérito Santos Dumont" a dois dirigentes da ANAC (Agência Nacional de Aviação Civil), órgão responsável por regulamentar e fiscalizar a aviação civil no Brasil e a adotar medidas que atendam ao interesse público. Os agraciados com a homenagem foram o presidente da agência, Milton Zuanazzi, e a diretora Denise Abreu que estão no alvo da mídia e sendo investigados pela CPI do apagão.

Para completar, o assessor especial da presidência da República para assuntos internacionais o professor Marco Aurélio Garcia foi flagrado “festejando” com a notícia que a falha que causou o acidente era da aeronave. Com gestos obscenos e com total desrespeito as vítimas o velho militante do diretório do Partido dos Trabalhadores da Vila Olímpia em vez de guardar luto, desrespeitou a essência da sociabilidade da vida.  Por esse motivo, a Comissão de Ética Pública, órgão que assessora o presidente da República decidiu analisar o caso.

Na verdade uma coisa fica mais do que explicita a determinação econômica é patente, a vida humana esta ao sabor dos grupos econômicos que aplicam livremente o overbook, cancelam vôos, não dão atendimento aos passageiros, utilizam aviões com problemas técnicos, censuram trabalhadores e obrigam pilotos a extrapolarem às 85 horas de vôos por mês.

Nesse sentido, cabe a nós exigir a punição dos responsáveis e não esquecer que infelizmente os interesses econômicos corrompem os princípios básicos da existência humana e tornam o ser humano uma simples mercadoria. Pois, o Capital transforma tudo em mercadoria, comercializando vidas humanas e atribuindo valores materiais para a perda da mercadoria -ser humano- ou descartando-a para reposição.

Desejo imensamente que os parentes das vítimas do vôo 3054, consigam justiça perante o tribunal dos homens e que os mártires dessa tragédia nunca sejam esquecidos, pois os mesmos como nós lutavam por uma causa, manter a vida.

 

por JOÃO DOS SANTOS FILHO

 

Clique e cadastre-se para receber os informes mensais da Revista Espaço Acadêmico  

 

clique e acesse todos os artigos publicados...  

http://www.espacoacademico.com.br - Copyright © 2001-2007 - Todos os direitos reservados