Por EVA PAULINO BUENO

Depois de quatro anos trabalhando em universidades no Japão, Eva Paulino Bueno leciona Espanhol e Português na St. Mary’s University em San Antonio, Texas. Ela é autora de Mazzaropi, o artista do povo (EDUEM 2000), Resisting Boundaries (Garland, 1995), Imagination Beyond Nation (University of Pittsburgh Press, 1999), Naming the Father (Lexington Books, 2001), e I Wouldn’t Want Anybody to Know: Native English Teaching in Japan (JPGS, 2003)

 

Era uma vez, na Ásia

 

Ilha Crabi, na Tailândia, chamada Ao Nang pelos nativos. Foto da autora (2001)O desastre sem precedentes que avassalou partes da Ásia e de Sri Lanka neste dia 26 de dezembro de 2004 traz, inevitavelmente, lembranças a qualquer um que teve a oportunidade de visitar os lugares agora devastados pelo maremoto. No ano 2001, em Janeiro, estive na ilha Crabi, na Tailândia, chamada Ao Nang pelos nativos, e também na ilha Phi Phi. Pra quem mora no Japão, ir a Tailândia é coisa comum, e bem razoável no preço. O lugar é lindíssimo, com rochas ilhas despontando de dentro do mar, barquinhos carregando turistas ou pescadores pontilhando o horizonte.Mas, além de tudo, uma visita à Tailândia é algo inesquecível por causa das pessoas.

Enquanto assistia pela televisão as imagens aterradoras das ondas gigantescas varrendo tudo em seu caminho, impossível conter as lágrimas e o horror. Hoje, assistindo ainda mais imagens da destruição, e vendo os testemunhos dos sobreviventes ocidentais, fica sempre e renovação daquilo que aprendi a apreciar e a amar sobre aquele país: o povo tailandês. Já começam a aparecer as muitas histórias de gente que obteve ajuda dos locais, pescadores, camponeses, gente simples, repartindo com os estrangeiros o que tinham, ajudando, fazendo curativos, dando a pouca comida e água, enquanto eles mesmos estavam no meio da maior desgraça que já lhes ocorreu. Mas há muitas histórias que vão ficar sem contar, enquanto as imagens das valas comuns se multiplicam, e vemos, dia a dia, pais e mães e filhos chorando a perda de entes queridos. A tristeza e a desolação não podem deixar de afligir a quem vê estas imagens de hoje, mas, para mim, outras se misturam a estas.

Algumas das imagens mais antigas retornam à minha memória, e agora assumem quase um caráter de um filme, de um documentário. Em Crabi, uma manhã, em 2001, num pequeno hotel na beira da praia, resolvi sair para andar pela aldeia. No fundo das pequenas casas (quase choças), alguns animais, bicicletas, varais de roupa. Me lembro de ter visto uma mocinha sair da casa, pegar uma caneca de plástico, e tirar água de um pote e se jogar a água no corpo, numa inocência que me fez olhar para o outro lado, para não interromper o ritual matutino da mocinha. Por todo lado, os tailandeses sorriem para você, cumprimentam, sem importar se você está comprando algo, ou só olhando. Sempre que podem, se aventuram a “bater um papo” com os turistas, só pelo prazer de conversar. Me lembro do jovem dono ou gerente de um restaurantezinho em Ao Nang tentar me explicar, metade em inglês e metade em Thai, que aquela noite de lua cheia iam ter uma festa na praia, e que todos estávamos convidados. De fato, quando a noite chegou, turistas e gente da aldeia se reuniram em volta de uma fogueira, cantaram e dançaram, enquanto as crianças corriam até a beira da água e voltavam dando gritos de alegria. Naquele momento, numa noite do sudoeste da Ásia, éramos todos irmãos, não importando a cor, a idade, a nacionalidade, a língua materna. Na confraternização que fizemos ali, o que importava era que a noite era bonita, o mar calmo, a brisa refrescante, e estávamos todos vivos, juntos naquelas horas mágicas.

Hoje, vendo os escombros, especialmente de Crabi, não posso deixar de pensar naquele rapaz que nos convidou para a festa, ou naquela mocinha se levando na porta da cozinha de sua casa. Estarão vivos ainda? Estarão mortos? Feridos? Impossível saber, desta distância.

Mas algumas coisas podem ser sabidas, mesmo do outro lado do mundo. Uma delas é que, de fato, a bondade do povo tailandês se manifesta não só em convites pra festas na beira da praia, mas na hora de acudir o estranho ferido. Outra é que a nós que fomos poupados de tal desgraça nos cabe ajudar de alguma forma. Não podemos — e nem devemos, já que nem todos temos o treinamento necessário — ir à Ásia ajudar em pessoa. Mas podemos, e devemos, tentar ajudar de outras maneiras, com dinheiro, com pedidos aos nossos governos, para ajudar a reconstruir as áreas afetadas tanto na Tailândia como na Indonésia, na Índia, e nos outros países.

A Cruz Vermelha dos Estados Unidos relata que, desde o dia 26 de dezembro, as doações não têm parado. Mais de cem milhões de dólares já foram doados, não por gente rica necessariamente, mas por gente simples, dólar por dólar. O povo americano é generoso em geral, mas parece que esta catástrofe solicitou—e obteve—uma generosidade sem precedentes.

O que nós do Brasil podemos fazer? Não tenho como saber se as doações à Cruz Vermelha do Brasil aumentaram nestes últimos dias. Espero que sim, mesmo sabendo que temos nossas próprias catástrofes a resolver. A Cruz Vermelha abriu uma conta corrente específica para receber doações para as vítimas da Ásia: Cruz Vermelha Brasileira Banco do Brasil Ag. 2865-7 (1º de Março) Conta corrente: 400.087-0 CNPJ: 33651803 0001 65 As doações para a ONU deverão ser feitas através de cheques administrativos em nome de Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, que devem ser enviados para o seguinte endereço: Organização das Nações Unidas Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento A/C Cristiano Otoni SCN Quadra 02 Bloco A, 7º. andar Edifício Corporate Brasília, DF CEP 70712-901. O governo brasileiro também está enviando alimentos, água, roupas, remédios para a Ásia e para a Sri Lanka.  Se todos ajudamos um pouco, ainda não conseguiremos retornar as vidas perdidas, mas pelo menos poderemos aliviar a fome e as necessidades presentes dos que sobreviveram, e assim evitar mais mortes por doenças e fome.

Nas notícias nacionais dos Estados Unidos, no dia 3 de janeiro, foi mostrado um soldado que estava no Iraque, e agora está em Sri Lanka, ajudando a descarregar um avião com provisões, água, remédios. Ele disse que nem lá no Iraque tinha visto tal devastação, e que estava contente de poder ajudar o povo de Sri Lanka. O governo dos Estados Unidos prometeram 350 milhões de dólares para ajudar aos países e pessoas afetadas. Isto é muito pouco, comparando com os mais de 87 bilhões já gastos na guerra do Iraque, mas é um começo.

De novo me lembro daquela noite em Ao Nang, quando, a uma certa altura, um grupo de pessoas começou a cantarolar a música “Imagine,” de John Lennon. Sim, imaginemos que um dia, talvez, já não existam países, mas só uma única humanidade, vivendo em paz, ajudando-nos um ao outro. Talvez, desta desgraça horrível que afetou nossos irmãos de tão longe nos fique uma lição. Quando trabalhamos todos juntos, esquecendo as barreiras superficiais, temos mais força, e podemos fazer uma diferença.

 

Clique e cadastre-se para receber os informes mensais da Revista Espaço Acadêmico

 

clique e acesse todos os artigos publicados...

http://www.espacoacademico.com.br - Copyright © 2001-2004 - Todos os direitos reservados