Por JOÃO DOS SANTOS FILHO

Professor da Universidade Estadual de Maringá-UEM. Coordenador e professor do curso de turismo da Faculdade Nobel. Professor da Universidade Norte do Paraná (UNOPAR). Aluno especial do doutorado da Universidade de São Paulo (USP) na Escola de Comunicação e Artes (ECA)

 

Será 2004 o ano da regulamentação da profissão de Turismólogo? 

Depende do apoio político do Presidente

 

Começamos este artigo com um trecho do depoimento dado em 1984 à coleção Retratos do Brasil pelo atual presidente da República do Brasil sua excelência senhor Luís Inácio Lula da Silva:

A saída para o País, na minha opinião, está na capacidade de organização do povo trabalhador, está na capacidade dos partidos políticos, porque somente com partidos políticos fortes, somente com sindicatos fortes é que se pode evitar que pequenos grupos se apoderem do País e se perpetuem no poder. (grifo nosso)

Essa é a saída para a construção de uma sociedade madura racionalmente, democrática e mais coletiva, pois todo cidadão, a enxerga como possível de realizar as tão sonhadas lutas sociais, pois necessitamos d regulamentação para montar um sindicato forte e não de carimbo. Entender a importância da regulamentação profissional não é nenhuma insanidade de uma época que já passou, como assim, se referem aqueles que são limitados em seus argumentos.

Lutar pela regulamentação profissional do turismólogo é em primeiro lugar ser um brasileiro politizado que não admite ser subjugado pelos curiosos do turismo, ou quem sabe, não suporta o amadorismo, no qual em todos esses anos delineou uma “Política Nacional de turismo”.

Lutar pela regulamentação é entender que a sociedade se explica no interior da luta de classes e que o movimento de poder é dado na luta constante de interesses, em que os setores que estiverem organizados terão maior força política.

Lutar pela regulamentação é exigir que nossos encontros científicos e acadêmicos reservem espaço em sua programação para discutir e articular o processo de regulamentação da profissão.

Lutar pela regulamentação junto ao discente do curso de turismo é colocá-lo frente de suas questões profissionais e completar sua educação cidadã, esclarecendo as questões de mercado.

Lutar pela regulamentação é lutar por uma entidade profissional atuante e defensora dos interesses da categoria e que possa defender nossos direitos trabalhistas.

Lutar pela regulamentação é não ter medo ser feliz e buscar na organização profissional os elementos que contribuam para a unidade política, para que possamos ter orgulho de ser turismólogos.

Lutar pela regulamentação é ter a certeza que podemos criar um sindicato forte, combativo, democrático e militante em favor uma política nacional de turismo.

Lutar pela regulamentação profissional é lutar contra a proposta neoliberal que deseja despolitizar essa questão e tolher qualquer tentativa de organização sindical, há tempos atrás “esses” nós chamávamos de comunista, apelavam para a deduragem e sofríamos os desabores da demissão e em muitos casos prisão e tortura.

Lutar pela regulamentação é ter ética e saber que a alcaguetagem é crime e pode levar turismólogos a perder seu emprego. Rostinho bonito e desequilíbrio pode ser sintoma de fraqueza acadêmica e intelectual’.

Presidente será que podemos contar com sua ajuda?

De imediato seria positivo ter um pronunciamento do presidente da Embratur no que se refere à regulamentação, pois essas são esferas em que sempre opinam e já opinaram no tempo do ministro Caio de forma negativa.

 

 
 

clique e acesse todos os artigos publicados...

http://www.espacoacademico.com.br - Copyright © 2001-2004 - Todos os direitos reservados