Por

ANTONIO MENDES DA SILVA FILHO
Doutor em Ciência da Computação. Docente do DIN/UEM

Porto Digital: um exemplo a ser seguido


Ao longo desses últimos anos, temos observado o crescimento do nível de desemprego, desigualdade e violência no país. Este último tem sido motivo de inúmeras reportagens, praticamente, em todas as mídias. Principalmente, nas últimas semanas, os principais jornais do país têm dedicado significativo espaço para registrar inúmeros fatos de insegurança da população face a enorme índice de violência.

Diversas propostas de soluções têm sido anunciadas pelas mais diferentes autoridades. Alguns políticos até, querendo tirar proveito dessa onda, têm usado este tema como motivo de campanha. Isto é Brasil!

Ainda cabe salientar que boa parte do povo brasileiro tem uma característica: não ter atitude preventiva. Ou num linguajar mais comum: "só cuida da casa depois que foi roubado".

Parece não fazer parte da cultura brasileira a atitude preventiva e sim apenas a corretiva. Perceba que só depois que os fatos acontecem alguma atitude corretiva é tomada, quando tomada. Vale lembrar o que aconteceu conosco ano passado quando a maioria das regiões do Brasil ficou submetida a um racionamento de energia elétrica. Lembrou? Acho até que o leitor já nem mais lembrava deste fato, hein!. Pois é, este é outra característica do povo brasileiro - a memória curta - esquecendo-se facilmente de fatos. O governo brasileiro deu, também, exemplo de atitude corretiva.

Agora, e a insegurança e violência no Brasil? Li, ouvi e vi inúmeras autoridades brasileiras apresentarem várias estapafúrdias soluções. Vou me reservar a não comentá-las pois seria um desperdício mental. O problema de insegurança e violência que hoje atravessamos requer uma solução preventiva combinada com atuação efetiva das polícias. O que seria uma solução preventiva? Reduzir o nível de desigualdade existente, quase perene, no país. Entretanto, um dos caminhos, o qual considero melhor seria a educação juntamente com a capacitação profissional.

Um pequeno exemplo de solução no setor de informática que poderia ser extrapolado a outros setores e cidades acontece em Recife, Pernambuco. Recife trabalha para implantação do Porto Digital. Trata-se de um projeto que envolve o Governo de Pernambuco, Prefeitura da Cidade do Recife, Centro de Informática da Universidade Federal de Pernambuco, Centro de Estudos e Sistemas Avançados de Recife (CESAR) bem como diversas empresas de tecnologia da informação (Motorola, Oracle, Microsoft, dentre outras).
O Porto Digital encontra-se localizado no antigo Recife, como é comumente conhecido. O local possui longa história de boêmia e da guerra contra os holandeses que controlavam a região no século 17 até sua expulsão em 1654. O antigo Recife fica na região portuária da cidade. A região tem sido revitalizada após ter passado por um período de declínio econômico. Tal declínio cedeu espaço a uma favela, conhecida como Favela do Pilar.

Hoje, com a instalação do Porto Digital, um dos grandes objetivos é integrar as pessoas da favela, capacitando-as em programação de computadores a fim de que elas possam prestar serviços a empresas instaladas no PD. Além disso, cabos de fibra óptica estão sendo instalados no local juntamente com escolas de Informática.

Agora, em fevereiro, está previsto começar o programa de treinamento para o grupo de 800 pessoas da Favela do Pilar. Inicialmente, elas irão tomar conhecimento das habilidades básicas necessárias ao uso de computadores. Este pacote inicial inclui Windows, Word e Excel. Depois, terão treinamento de Inglês para ser usado em situações de negócios bem como em linguagens de programação.

Este exemplo é pequeno, muito pequeno. Todavia, merece ser copiado e difundido Brasil afora. É preciso dar oportunidades às pessoas. Para alcançar esta meta, educação é fundamental. Recife por meio de suas autoridades a nível municipal e estadual juntamente com a Universidade Federal de Pernambuco estão dando um exemplo simples de como podemos tratar este problema. Embora este exemplo de solução seja pequeno, ele precisa ser replicado em outros lugares. Do contrário, estaremos sendo obrigados a conviver com índices de violência mais elevados.

Atitudes preventivas como esta podem ser realizadas por outros governos juntamente com a participação da sociedade civil organizada. Não se trata apenas de trabalhar numa das causas da violência e insegurança - a desigualdade social - mas também de reintegrar pessoas, muitas delas marginalizadas, dando-lhes oportunidades e condições de viver com dignidade.

 

ANTONIO MENDES DA SILVA FILHO

     

 


http://www.espacoacademico.com.br - Copyright © 2001-2003 - Todos os direitos reservados